Em maio de 2019, durante o Summit Grow de Segurança e Convivência na Micromobilidade, foi anunciada a expansão da operação da empresa para áreas mais periféricas da cidade. A operação começaria com as bicicletas Yellow numa área de aproximadamente 7 km² e englobando três estações de metrô nos bairros do Capão Redondo e Jardim São Luís. Desde então houveram alterações na área de atuação de acordo com as necessidades da logística operacional, porém o sucesso manteve-se constante durante seus primeiros seis meses de operação.

Início das operações Grow no Capão Redondo no final de maio de 2019 | Fonte: Grow Mobility Inc.

Para avaliar os impactos sociais e econômicos - através de uma parceria inédita - duas consultorias participaram de um estudo detalhado (download) envolvendo entrevistas com as equipes de operação da Grow, pesquisas com usuários e com estabelecimento de venda de créditos. O estudo foi realizado pela Análise Econômica Consultoria, com suporte estatístico da Akademy Consultoria.

De acordo com os dados do Censo de 2010 levantado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), dos aproximadamente 2,72 milhões de habitantes que residem na Zona Sul do município, a população do Capão Redondo é de 268.729 pessoas. Segundo a Fundação Seade (2020), a região Sul - junto com a região Leste - tem a menor concentração de serviços bancários, hipermercados e equipamentos de lazer. Complementarmente, ainda segundo levantamento da Fundação Seade, 33% dos domicílios da região Sul do município de São Paulo tem mais de uma fonte de rendimento, ou seja, não vivem somente com a renda do trabalho. Esse dado reflete uma renda média mensal per capita na região de aproximadamente R$ 1.095,00. É nesse contexto que se insere a operação de bicicleta e as facilidades do aplicativo da Yellow e Grin (Grow) para compra de créditos e pagamentos.

O estudo

O entendimento do problema e levantamento de dados se deu em três etapas: construção da teoria da mudança (TDM), pesquisas com usuários(as) do aplicativo na região (levantamento estatístico) e pesquisa com estabelecimento de venda de créditos na região (parceiros). Para a TDM, a equipe da Análise Econômica Consultoria conduziu, no dia 27 de setembro de 2019, uma facilitação com os times da Grow responsáveis pela operação, com objetivo de definir o problema, construir objetivos de longo prazo, definir público-alvo, mapear ações e elencar indicadores. As hipóteses de mudança são apresentadas nas tabelas a seguir.

Longo prazo - logística e transporte
Longo prazo - econômico-financeiro

Para o levantamento estatístico, a metodologia empregada para a obtenção dos dados segue a técnica de coleta via digital, com os(as) usuários(as) do sistema Grow (Yellow e Grin) sendo convidados(as) a responder um formulário estruturado. Os envios foram constantes durante o período de 25 de novembro a 4 de dezembro, com nível de confiança de 95%, ou seja, a margem de erro máxima para as respostas é de aproximadamente 5 pontos percentuais para mais ou para menos.

Por fim, na abordagem com os(as) parceiros(as), não buscou-se validação estatística quantitativa, mas sim uma avaliação qualitativa do serviço justamente do ponto de vista dos(as) parceiros(as). Foi organizada uma entrevista semiestruturada para a abordagem, com o intuito de captar as percepções, necessidades e vantagens da parceria com os vendedores de créditos para a aplicativo.

Os resultados

Com as hipóteses de mudança definidas, passou-se à pesquisa via digital com os(as) usuários(as) da região. A seleção de usuários(as) foi definida por user_id com viagens realizadas na região nos quatro meses que antecederam a pesquisa. Dentre as principais informações obtidas, destacam-se:

A pesquisa nos permitem traçar o perfil de usuários(as). São pessoas principalmente do gênero masculino, com renda mensal de até 2 salários mínimos e idade entre 26 e 40 anos. Usa as bicicletas para se deslocar ao trabalho durante a semana e para lazer nos finais de semana. Carrega-se até R$20,00 por mês no aplicativo e utiliza-se, principalmente, para as corridas de bicicletas. Outra característica positiva é que, em geral, o(a) usuário(a) considera que o aplicativo ajuda a controlar melhor os gastos.

Aproximadamente 65% dos(as) entrevistados(as) utilizam as bicicletas no deslocamento com motivo trabalho. Combinado a isso, aproximadamente 56% deles substituem carro, moto, uber ou ônibus pela bike. Para 71,3% dos(as) usuários(as) essa migração modal gerou economia de tempo em seu dia-a-dia. A economia também foi financeira, já que a bicicleta é 78% mais barata que o ônibus e 56,5% mais barata que o carro, desconsiderando gastos com possível trânsito no trajeto.

A operação de bicicletas teve uma média de 1.700 usuários(as) impactados por mês, realizando cerca de 5.000 corridas mensalmente. Durante o ano de 2019 foram percorridos, em bicicletas do sistema Grow, cerca de 50.000 quilômetros na região.

Considerando o tempo médio economizado ao se migrar para a bicicleta, estima-se um total de 23.800 minutos economizados em média por dia. São cerca de 400 horas economizadas diariamente pelos(as) usuários(as) das bicicletas do sistema Grow (Yellow e Grin). Do ponto de vista financeiro, com uma economia diária de mais de R$ 6,00 por pessoa, a economia total dos(as) usuários(as) no ano supera os R$ 3 milhões. Trata-se de um valor relevante que pode circular na economia, estimular consumo e negócios locais. Na entrevista com parceiro, por exemplo, foi informado o incremento de até 10% em seu faturamento mensal com as vendas de crédito.

O estudo sugere a construção de um relatório periódico de acompanhamento das hipóteses de mudança. Com o início da atuação de patinetes elétricas no Capão Redondo, surge a oportunidade para acompanhar e analisar os impactos que este outro modo de transporte gera na região.

Por fim, o estudo afirma que, para além dos aspectos ambientais e de saúde, a Grow Mobility possui um impacto positivo sobre o distrito do Capão Redondo. É recomendável fortalecer e expandir a operação pela região e seguir monitorando o impacto para garantir que os resultados da micromobilidade continuem sendo positivos.